Inscrições abertas e gratuitas para residência artística com o bailarino Tuca Pinheiro

Conceitos de ineficiência e errância são trabalhados como potência criativa na residência artística com o bailarino mineiro Tuca Pinheiro, convidado do projeto “ensaio para algo que não sabemos – por uma poética da existência”. Aulas gratuitas serão realizadas on-line e inscrições gratuitas já estão abertas

“Errar é sublime, necessário”, dispara e ao mesmo tempo conforta Tuca Pinheiro. Provocador e produtor da cena da dança brasileira, o artista mineiro traz um outro ponto de vista acerca dos conceitos de errância e ineficiência, tão evitados e julgados na atual ordem da sociedade do desempenho e performance. Colocando-os na perspectiva de potência máxima para a criação de outros significados corporais. 

Tuca abre a programação da terceira etapa do projeto “ensaio para algo que não sabemos – por uma poética da existência”. O bailarino irá conduzir a residência artística “A urgência da ineficiência e a errância como dispositivos no processo da construção coreográfica”. As aulas on-line serão realizadas de 15 a 20 de março, das 15h às 17h, via plataforma Zoom.

“Estou trabalhando neste projeto há uns seis anos, e estabeleci três conceitos como princípios: a lógica, o dispositivo e a potência. Como podemos revisitar esses conceitos pensando que eles possam dialogar entre si a partir de provocações corporais. Não é o movimento que importa, mas a potência que está contida nele. Cada processo pode e deve criar suas próprias lógicas. O corpo é o dispositivo!”, explica.

O módulo tem como objetivo explorar ferramentas e estratégias para construção de possíveis narrativas e corporalidades fora da lógica da exatidão e por meio de uma prática não assertiva. A residência é aberta para pessoas interessadas em dança, pesquisadoras/es, alunas/os e professoras/es. As inscrições gratuitas são limitadas e podem ser feitas no link: https://forms.gle/rqfW74KkWwBtJK5J8

Continuidade

Idealizado pelas artistas Daniela Alves e Karina Collaço, “ensaio para algo que não sabemos – por uma poética da existência” é uma ação de continuidade do projeto, que tem como propósito incentivar a pesquisa, a formação, a difusão e a produção em dança no estado de Santa Catarina. O projeto dialoga com a potencialidade de ações que visam o compartilhamento de processos artísticos por uma perspectiva da coletividade, compreendendo o corpo como o principal veículo de produção de conhecimento, sentido e significado. 

A programação é composta por uma série de atividades formativas – espetáculo, oficinas, residências, performance, mostra de processo, videoarte e bate-papos – que foram planejadas para serem realizadas mensalmente e idealizadas para contemplarem diferentes faixas etárias. A programação será on-line, deste modo, as vagas referentes às oficinas e residências serão ofertadas para todo País, no entanto, 80% das vagas serão oferecidas para o estado de Santa Catarina.

“Projeto realizado pelo Governo do Estado de Santa Catarina, por meio da Fundação Catarinense de Cultura, com recursos do Prêmio Elisabete Anderle de Apoio à Cultura / Artes – Edição 2019”.

O que: Residência Artística “A urgência da ineficiência e a errância como dispositivos no processo da construção coreográfica” com Tuca Pinheiro. 

Quando: De 15 a 20 de março, das 15h às 17h.

Onde:  Via plataforma Zoom.
Inscrições: gratuitas.

Número de Vagas: 25 vagas

Link: https://forms.gle/rqfW74KkWwBtJK5J8