Em SC, 20 mil estão sem previsão para segunda dose da vacina

Com a redução na entrega de doses da vacina Coronavac contra a Covid-19, milhares de catarinenses ficaram sem previsão para receber a segunda aplicação do imunizante. A Secretaria de Estado da Saúde (SES) está buscando informações junto aos 295 municípios para saber quantas pessoas receberam apenas uma aplicação da Coronavac e se há falta de estoque para realizar a cobertura. A pasta estima que cerca de 20 mil pessoas em todo o Estado estejam aguardando a dose.

As informações estão sendo apuradas pelas regionais de saúde da SES. Após ter o quantitativo exato, a pasta vai pedir ao Ministério da Saúde uma complementação de lotes da Coronavac a fim de garantir a segunda aplicação para essas pessoas. O pedido deve acontecer até o final da semana e as remessas enviadas na sequência. Outra alternativa em prática é o compartilhamento de doses entre as regionais. 

“Nós recebemos doses da Coronavac no final de semana e enviamos para os municípios que faltaram receber, mas têm vários municípios que tinham utilizado um número de doses [para a primeira aplicação] a mais do que aquilo que estava nos nossos controles. Esses municípios estão fazendo as solicitações de quantas doses faltam para ser completado o esquema de 28 dias da Coronavac”, disse o superintendente de Vigilância em Saúde da SES, Eduardo Macário.

Os municípios de Balneário Piçarras, Barra Velha e Penha, por exemplo, confirmaram no último dia 28 que não possuem estoque para a aplicação da segunda dose da Coronavac. O mesmo deve acontecer em Brusque. Algumas pessoas já ultrapassaram o prazo previsto. 

O problema foi causado pela aceleração da primeira aplicação. Muitos municípios adiantaram a imunização de idosos acima de 60 anos, sem reservar as doses de segunda aplicação para idosos acima de 65 anos e outros grupos prioritários. Segundo Macário, o problema aconteceu também em outros estados e de forma muito mais grave do que em Santa Catarina.

Entre essas 20 mil pessoas, muitas já completaram os 28 dias de intervalo sugerido pela fabricante. “É preciso que, quando chegarem as doses, as pessoas vão se vacinar. Mesmo com atraso de um, dois, cinco dias, isso não vai prejudicar a produção dos anticorpos ou gerar perda de potência”, afirmou Macário.

Nesta quinta, o Estado recebeu mais 138,9 mil doses de vacina contra a Covid, mas da AstraZeneca. Também está prevista a chegada de mais 39 mil doses, da Pfizer. O Instituto Butantan, que fabrica a Coronavac, entregou ao Ministério da Saúde mais 1 milhão de doses nesta quinta. Parte desse volume deve chegar ao Estado nos próximos dias para atender o público em atraso. 

Foto: Secom