Nutricionista promove blitz educativa para conscientização, no Dia Mundial da Obesidade em Florianópolis

A nutricionista Tatiane Flores, especialista em nutrição e  Obesidade,  e Emagrecimento .
Promove  em Florianópolis, uma BLITZ  no Dia Mundial da Obesidade que busca conscientizar pessoas sobre a doença crônica e levar informações sobre tratamento.
Na próxima segunda-feira (04) é comemorado o Dia Mundial da Obesidade para marcar a data, a nutricionista Tatiane Flores  promove  uma ação de combate a obesidade,  conscientizando a população a partir das 7.30 m,   realizará uma blitz e panfletagem educativa para sensibilizar a população sobre os cuidados com a doença, um olhar mais empático, mais atenção e carinho para os que sofrem com obesidade e como buscar tratamento.
A ação tem o objetivo de alertar a população sobre como prevenir as doenças causada pelo excesso de peso.
 A ação acontecerá em ponto estratégico da cidade na beira norte, onde sua equipe estará  entregando material informativo e kits para as pessoas, alertando sobre importância do cuidados com uma reeducação alimentar, um  novo olhar ao  combate a obesidade.
Precisamos  destacar a importância do olhar empático e da percepção que se deve ter da pessoa que vive com obesidade, as dificuldades que enfrenta, os aspectos orgânicos que envolvem o ganho e a perda de peso, além das múltiplas comorbidades. O objetivo é alertar a sociedade para esses múltiplos aspectos e a necessidade de “perceber a obesidade de forma diferente.
Estamos enfrentando verdadeira ” Epidemia da Obesidade”, segundo dados do Ministério da Saúde, obtidos em um levantamento inédito, apontam que a obesidade atinge 6,7 milhões de pessoas no Brasil. O número de pessoas com obesidade mórbida ou índice de massa corporal (IMC) grau III, acima de 40 kg/m², atingiu 863.086 pessoas até  2923.
As informações públicas estão sendo divulgadas pela Sociedade Brasileira de Cirurgia Bariátrica e Metabólica (SBCBM) .
No dia 4 de março, data alusiva e que marca a importância do combate à obesidade entre adultos e crianças, campanhas estão sendo levantadas para o alerta ao combate a obesidade.
Dados do IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística) indicam que  seis a cada dez brasileiros estão com sobrepeso no Brasil.
Profissionais da saúde e  especialistas em  nutrição estão atentos  com os índices alarmantes da obesidade, uma  doença causada pelo excesso de peso, quando um indivíduo atinge o Índice de Massa Corporal (IMC) igual ou maior que 30 quilos por metro quadrado,  provocados e associados, a idade, condições socioeconômicas e falta de atividade física, como identificou  um novo estudo da Fundação Getúlio Vargas (FGV), com dados baseados na ONS-  Pesquisa Nacional em Saúde,  recente pesquisa que apontou uma taxa atual de obesidade no Brasil em 20,1% da população-  e da POF, Pesquisa de Orçamentos Familiares.
O Ministério da Saúde reconhece a obesidade como um problema de saúde pública e orienta que, diante do atual quadro epidemiológico do país, sejam prioritárias as ações de promoção da alimentação adequada e saudável, de prevenção da obesidade e intervenções para a construção de ambientes alimentares saudáveis.
 O corpo humano funciona  tal qual uma orquestra, como um sistema em que cada parte exerce uma função em prol do todo. Isso inclui características como quantidade de água no corpo, de massa magra, o peso e o percentual de gordura.
A obesidade compromete o bem-estar do indivíduo. A condição pode dificultar a realização de tarefas de rotina e gerar sintomas como dores, em decorrência da sobrecarga nas articulações e problemas na coluna, fadiga e indisposição. No entanto, o maior problema da obesidade é que a condição favorece o desenvolvimento de várias outras doenças.
 O sobre peso é fator de risco, porta de entrada  para outras enfermidades, como: doenças cardiovasculares, diabetes, hipertensão e alguns tipos de câncer.
A obesidade gera a estereótipos e discriminação é justamente nesse ponto que fica evidente como aspectos sociais e psicológicos do indivíduo podem ser afetados, para além da questão física.
Nas últimas quatro décadas têm aumentado maneira epidêmica entre crianças e adolescentes e, atualmente, representa um grande problema de saúde pública no mundo.
No Brasil, o registro de que o excesso de peso (que compreende o sobrepeso e a obesidade) também tem aumentado em todas as faixas etárias.