Vacinação é ‘passo gigantesco’ para o fim da pandemia, diz superintendente da SES

Após o registro de queda de mortes devido à Covid-19 em 26% em Santa Catarina entre junho e julho, as autoridades de saúde comemoram os resultados da vacinação no Estado. 

“A vacinação tem um principal efeito que é a redução do número de casos graves e hospitalizações e óbitos. Até com a primeira dose já se consegue dar um certo nível de proteção para as pessoas a ponto de protegê-las dessa formação grave”, disse o superintendente de Vigilância em Saúde da Secretaria de Estado da Saúde (SES), Eduardo Macário. 

Nesta semana, os gestores municipais e estaduais do Estado devem firmar as regras para a vacinação de bancários e funcionários do Correios, seguindo indicação de grupo prioritário do Ministério da Saúde. Santa Catarina também já acordou a imunização de adolescentes, que deve ocorrer após a imunização de adultos. 

O resultado também melhora as condições dentro dos hospitais, diz Macário. “Os hospitais ficam mais vagas, os leitos ficam mais disponíveis e com isso as equipes têm mais capacidade de fazer os atendimentos, você tem à disposição mais insumos, os próprios profissionais de saúde estão mais descansados”, acrescenta.

Para ele, se não houver mudança drástica no processo de vacinação ou aparição de novas cepas, o Estado vai dar um “passo gigantesco rumo ao fim da pandemia”. O futuro, projeta, seria “debelar pequenos surtos” localizados. 

Até esta segunda-feira (19), o Estado havia aplicado 4,35 milhões de doses de vacina, sendo 3,22 milhões como dose 1 e mais 1,13 milhão como dose 2 ou dose única. Pouco mais de 19% da população adulta já finalizou o esquema vacinal.